domingo, maio 11

Dia santo


Sara VanDerBeek «The Principle of Superimposition» 2007
(digital C-print)


Dia santo

(Versos dum isolado)

Estou hoje sombrio, doente, aborrecido,
Invadiu-me não sei que pessimismo azedo;
O dia está tão triste! e eu sinto-me oprimido
Sob o nevoento céu, grosso como um rochedo.

Fechou a oficina aqui defronte, o dono
Foi passear. Odeio este ócio domingueiro,
E um piano que tem levado o dia inteiro
A gemer uma valsa horrível, que faz sono.

No Imóvel infiltro a minha hipocondria.
Vejo-o a bocejar, tristonho, endomingado..
Frenético, fito a alva casaria,
O macadame poeirento e quase intransitado.

O mar adormeceu desoladoramente,
Parece-me um deserto. Eu lembro desgostoso
Terras que não alcança o meu olhar saudoso,
As grandes capitais, o decantado Oriente.

Vasta separação! Aumenta a minha mágoa,
Porque fico a evocar lindíssimos países.
É cada vez mais triste este deserto de água,
Que atravessam no entanto os ricos, os felizes!

O vago marulhar inspira-me saudades,
Como se nele viesse o eco enfraquecido,
Nostálgico, da voz remota das cidades
Perdidas na amplidão desse ermo indefinido.

E vou talvez viver, morrer nesta prisão!...
Anoitece, chuvisca. Eu fumo, desolado.
No entanto passa a rir um grupo endomingado,
Contente no seu meio e isento de ambição…

(Roberto de Mesquita)



in «Almas Cativas e Poemas Dispersos», 1931

Etiquetas: ,

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial