quinta-feira, janeiro 1

Do ciclo das intempéries


Egon Schiele «Portrait of the Artist's Wife», 1918
(oil on canvas)
- Private Collection -
*
*
A sombra da figueira não me lembra a sombra.
Muitas vezes sou o ramo que se quebra
Sem tempestades.
*
A sombra que tenho na memória é semelhante à tristeza no sangue
E o sangue não me lembra o figo quando escorre
O mel. A mulher estéril vê o homem deitar-se com a escrava
*
A figueira lança a sua sombra sobre a parede da casa
Branca
A mulher fecha os olhos para ouvir no escuro das folhas
A mulher quase nunca se assemelha ao céu
Sem nuvens
*
O sangue não ocupa mais o coração do que um filho que nasce
Amulher não queria ser um tronco cheio de ramos
*
A mulher imagina uma colmeia cheia de favos
Debruça-se à janela como a inclinação dos telhados
*
Como se os ninhos (como se os filhos ao pescoço) a vergassem
*
(Daniel Faria) *

(in «Do que sangro / Poesia» edição 2006)
*

Nota: Egon Schiele está representado na exposição XXth Century a decorrer no Gemeentemuseum na cidade The Haag, na Holanda, assim como outros grandes vultos da pintura do século XX, em que pontuam os mais diversificados estilos e correntes artísticas da arte moderna e contemporânea, a serem analisados à luz dos grandes acontecimentos políticos que marcaram a história do século passado.
*

Etiquetas: ,

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial