quarta-feira, novembro 12

entrevista


Victor Grippo «Analogia IV», 1972
(wooden table with potatoes, porcelain plate, forks, knives,
acrylic and tablecloths)
- Private Collection -


entrevista

bom, o meu nome* não vale* a pena
dizê-lo. não,* não**se* trata*de que
rer* ficar* incógnito, *de*ter* medo
de citar o*nome,*medo porquê? não
tenciono dizer nada* que*me* comp
rometa. note-se*que*não* é* por* t
er medo que*não* quero* dizer nada
que me*comprometa. eu*já declarei
que não se trata* de* ter* medo, mas
de uma* questão* de**princípio,* se
assim se quiser. trata-se de*uma* qu
estão*de* honestidade, apenas,*não
se trata de não*querer, de* não* que
rer* expor-se, mas* sim**de* querer
ficar fiel aos*princípios, de*querer*fi
car igual a si mesmo, ou* de*não* se
trair,* que* é* o* mesmo. não* é*por
tanto por ter medo*que* eu* não* di
go o meu*nome,*mas, como* disse, e
desejaria* que* isto * ficasse* bem* c
laro, por uma* questão*de*princípio.

o*motivo por* que* escolhi a**minha
profissão? bom,*primeiramente,* que
ro*deixar* dito* que* a* minha* profi
ssão é* uma* profissão**como* outra
qualquer,* salvo* as* diferenças* que
lhe são* inerentes. Para* mim* foi**ó
bvio desde*o*princípio**escolher, ou
até* poderia* dizer** seguir, seguir* e
sta*profissão,*esta* carreira, uma* ca
rreira* por assim* dizer* de** família.

mas não, claro que não há*alcoolismo
na minha*família. já manias, por* assi
m dizer,*isso* enfim, como* em* toda
a parte. tenho* uma* tia,* por* exemp
lo, que sempre* que há* desastres* de
avião ou* de*comboio**incorpora-se
nas brigadas de* salvamento*e* passa
noites* e dias recolhendo*corpos e*pe
daços de*corpos, ajudando* a*reconh
ecê-los,*a**catalogá-los. o**meu*avô
materno** é**um**dos** maiores* co
leccionadores**de* impressões** digi
tais, tem* uma* das* maiores* colecçõ
es do mundo,* e péla-se* por* usar* ca
pacete de motorista* mesmo*dentro d
e casa.* mas manias, quem as não tem?

durante* a* minha* gravidez, quer* di
zer, *a* gravidez*de*que* eu* nasci, a
minha mãe não*sofreu* nenhuma* esp
écie* de* traumatismos,* não. o*parto
foi* laborioso,* sim,*mas* durante* to
da*a* infância* não* sofri*de**convul
sões,* claro,** nem** isso* seria* diga
mos coisa normal. sim,*costumava* ur
inar** durante** os**castigos* corpor
ais,* mas* isso* é* normal,*não* é*ver
dade? é* uma**reacção**normal,*que
eu* próprio* tenho**observado* igual
mente* nos* meus* filhos,* em**todos.

sim, sou casado.*por* que* é* que* sou
casado? não*compreendo* bem* a* per
gunta. não,*não* compreendo* onde* é
que*a* pergunta* quer* chegar.* como,
perdão?*por* que**é** que** tenho* fi
lhos?*a* pergunta* é**também** absur
da, é** completamente** absurda,* não
faz sentido.*os meus* filhos* são*todos
sadios,* é**evidente. não* * deforma
ções,*não.* um**morreu,* sim.* como?

decerto* que* tenho**de**prestar* con
tas dos* meus* actos.* mas* quem* não
tem? até* o* presidente* tem**de* pres
tar* contas* dos* seus* actos. a* quem?
ao povo. como? é* claro.* o* presidente
presta* contas* ao* povo.* quando? qua
ndo* presta* contas.*quando* diz:** eu
presto* contas**ao**povo.** é** assim.

decerto* que* sou**católico.** porquê?
não* entendo* a* pergunta.** por** que
é* que* não**havia** de**ser* católico?
não* tenho* motivo**algum* para**cor
tar* com* as* tradições* da*minha** fa
mília.* de* resto,*note-se* que* eu,* eu
não* sou* contra**a**evolução,* longe
disso,**pelo** contrário,** mas* primei
ro* é* preciso** saber** os**resultados,
saber* aonde* é* que*a** evolução*nos
leva,* se* não… *ai* do** nosso**futuro.


sim,* confesso*que* * houve quem me
dissesse* isso,* mas* eu* não* dei** imp
ortância.** não.* a* certas* coisas** não
se* deve** dar*importância.* a** quais?
às* coisas* que* a* não* têm,* é**óbvio.


sim,* é* claro* que**estou* convencido
que* para* triunfar* na* vida* nem* em
todas**as* circunstâncias** é** conven
iente*mostrar-se** de** uma**honestid
ade*exagerada,*porque* * casos** es
peciais,*como*em**tudo.**sim,*é claro
que* quero* que** os*meus** filhos* tri
unfem* na* vida.* certamente* que* lhe
s* digo* que* sejam** honestos,**é* nor
mal* um* pai** dizer**aos* filhos** que
sejam*honestos,*não**é**verdade?* tu
do* o* resto** é* especulação,**anarqui
a** e** fonte** de**muitos **desgostos.


aceito* a* crítica,* e* com* muito** pra
zer,* desde* que** não* seja** destrutiv
a.* quer**dizer,* aceito** a* crítica** fe
ita* por* bem,* ou* pelo* menos*não*é
feita* por* mal.* porque**a** outra*cri
tica,* essa* é* insuportável,*sim,* é*ins
uportável* e* não* tem* razão** de*ser.


rir-me* nas* costas* dos** outros?**
em*** circunstâncias**** excepcionais.
por* exemplo,*se*alguém* tem* modos
muito** extravagantes,***ou** aparece
vestido* de* modo* estranho.**de** res
to* não.* rirem-se**nas** minhas** cos
tas?* bom,* é* possível*que* haja*quem
se* ria* nas*minhas*costas.**não**têm
a* coragem* de* se* rir*na**minha* fre
nte.* bom,*na**minha* frente* também
não* seria** possível.* e* rir**de** quê?
não** motivo.* eu* não vejo*motivo.
e* eu* também* não* me* rio,*a*não ser
em* casos* especiais,**de**resto* * a
educação,** os** princípios,** não***é?


denunciar**um** camarada?* depende.
mas* eu* não**diria** denunciar,* diria
comunicar**superiormente** uma** fal
ta.* é* que** a* rivalidade** infantil,
saudável,*de*resto,**e**depois*os**pr
ofessores* apreciam,* vêem* que* a*cri
ança* é* de**boa**família,** que** tem
boa* educação.* os* meus**professores
davam* todos* apreço.* e* os*dos meus
filhos* também,* sim,* todos,*sem exce
pção.* e* está* bem* assim,*pois não*é?


o* problema* da* virgindade* da** virg
em* é* por* assim* dizer* um* problem
a* delicado.*não,**a**ciência*** não
tem* nada* a* dizer.* não* pode. não po
de,* porque*se* trata* de* um* milagre,
e* os* milagres* não* são* da* competê
ncia* da* ciência,* são* da**competênc
ia* da* igreja,* cada* coisa* tem* o*seu
lugar* e* não**se*pode**misturar* tud
o.* não,* neste* caso* não* se* pode*fal
ar*de**impossível,**para**deus** nada
é* impossível,* para* o*homem* é*uma
questão* de* fé.* impossíveis* não** há.


não,* nunca* defequei**de** chapéu* na
cabeça,* nem* entendo* a* pergunta.*pa
ra* dizer**a**verdade,**acho-a*até**de
muito** educação.* de* chapéu? não.

mudo* todos* os* dias* de* roupa** inte
rior.* sim,* claro* que* tenho*orgulho ni
sso.* porquê?* porque* é* higiénico.* qu
e* é* que** quer* dizer** higiénico?* lim
po,* limpo,* mas* a* pergunta* é*absurd
a,* totalmente* absurda,* não**tem**res
posta.* é* totalmente** absurda.** lamen
to* ter* de* dizê-lo,* mas**estas** pergu
ntas*** todas** são** muito** estranhas.

qual* é* a* minha* opinião** acerca** d
este* livro?* não* sei,* não* o* li.* se* g
ostaria* de* o* ler?* não** sei,** precisa
ria* de* lê-lo** primeiro,** para** respo
nder* a* essa* questão,* mas* acho**tud
o* isto* muito* duvidoso,** estas** ques
tões,* estes* temas,* tudo* isto,** não* s
ei,* não**me**está* a** agradar** nada,
de* resto* são* horas**de** me** retirar.

uma* última* declaração?* com* todo* o
gosto:* não* tenho** dúvidas** de** que
nada* nos**impede** de** continuarmos
como* até* aqui,* e* é* isso* que* me*
confiança* no* futuro,* pois** o** futuro
* é* possível* se* não**deixarmos**de
ser* o*que**sempre*fomos*no*passado.

(Alberto Pimenta)

in «Obra Quase Completa», 1978

Etiquetas: ,

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial