domingo, setembro 14

Eu sei, não te conheço, mas existes


Emilio Longoni «Alone!» 1900, oil on canvas
- Private Collection -

*
Eu sei, não te conheço, mas existes

Eu sei, não te conheço, mas existes.
Por isso os deuses não existem,
a solidão não existe
e apenas me dói a tua ausência
como uma fogueira
ou um grito.

Não me perguntes como mas ainda me lembro
quando no outono cresceram no teu peito
duas alegres laranjas que eu apertei nas minhas mãos
e perfumaram depois a minha boca.

Eu sei, não digas nada, deixa-me inventar-te.
Não é um sonho, juro, são apenas as minhas mãos sobre a tua
*************************************************nudez
como uma sombra no deserto.
É apenas este rio que me percorre há muito e desagua em ti,
porque tu és o mar que acolhe os meus destroços.
É apenas uma tristeza inadiável, uma outra maneira de habitares
Em todas as palavras do meu canto.

Tenho construído o teu nome com todas as coisas.
Tenho feito amor de muitas maneiras
docemente,
lentamente,
desesperadamente,
à tua procura, sempre à tua procura
até me dar conta que estás em mim, que é em mim que devo
******************************************procurar-te,
e tu apenas existes porque eu existo
e eu não estou só contigo
mas é contigo que eu quero ficar só
porque é a ti
que eu amo.

(Joaquim Pessoa)

in «Os Olhos de Isa», 125 Poemas (Antologia Poética), 1989

Etiquetas: ,

1 Comentários:

Blogger Lucy in the Sky with Diamounds disse...

Belíssimo! Adorei!
"E realmente uma sólida prova de que o homem sabe muitas das coisas antes de nascer, o facto de que, quando criança, absorve tão rápida e facilmente inúmeros conceitos, o que mostra que não está a aprendê-los pela primeira vez, mas a recordá-los e a evocá-los,"
Cícero
Beijos,
Lucy

17 de setembro de 2008 às 03:45  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial