domingo, junho 22

AS PALAVRAS QUE ME VESTEM


Arturo Herrera «Plot» 2006, steel sculpture


AS PALAVRAS QUE ME VESTEM

********************************Ao Nuno Lacerda Lopes

**********O que quer dizer
**********«toco na ponta dos meus dedos»?
**********O que são os meus dedos senão eu?
**********O que sou eu no essencial?

**********O leitor está sempre no futuro
**********da mão que escreve
**********mas está sempre no passado
**********do poema que lê.

Habituei-me a olhar algumas palavras com serenidade.
É com elas que peço café
chamo as roupas que me vestem
meto-me no carro e chego até aqui
onde a minha mão se perturba com o odor de cada palavra
com a marca invisível que deposita nos dedos.

Sinto-os inquietos
dizem-me que a palavra canta
às vezes tão alto que a urze cresce
muito depois de chegar ao fim da memória
onde o terreno é fértil para que tudo seja esquecido
e nasçam então os únicos ouvidos
e o verdadeiro aroma do café.

Às vezes imploro à palavra que se torne transparente
e a mão olha-me
afagando as sílabas
como se pudesse saber a perturbação ínsone
que a própria plenitude desenha,
ou as tempestades de areia que vão ter connosco ao sono
e nos arrastam como simples folhas
a quem o outono facilita o trabalho do vento.

Não fosse assim
não estivéssemos tão perturbados
pelo orvalho que se escreve com a humidade das letras
na própria ignorância da mão

e talvez o poema fosse um exercício de estilo.

(Rosa Alice Branco)

in «Soletrar o Dia», Obra Poética, 2002

Etiquetas: ,

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial