sábado, janeiro 5

NORUEGA


Lars Monrad Vaage «Trees» 2006, oil on canvas
*
*
NORUEGA
*
I
*
A Noruega começou por exportar vómitos
em barricas de óleo de fígado de bacalhau
para as bocas aprenderem a ginástica do nojo.

Depois, tornou-se num país de palavras com homens dentro,
Ibsen, Grieg, Nansen
− geografia de sons crespos.

Até que um dia
resolvi atravessar aquele mar azul desenhado com lógica de mapa
na parede dentro de mim na escola
para haver nações de fronteiras impossíveis.

Afinal o azul do Mar do Norte era cinzento, gelado de sujo
(gelo, maneira sem asas da água fugir de si mesma),
pedaços de vidro que os deuses quebraram por cólera
quando descobriram que os mortais
amavam melhor com sémen
do que Odin e Freia
nos festins de cerveja, carne de cavalo e pólen.

Então pouco a pouco
as palavras começaram a ficar vazias,
apenas terra de pisar,
peixes na ferrugem dos rochedos,
escamas vivas,
indústria de encher navios com fardos de pequeninas múmias
espalmadas ao sol do cheiro pobre nos escolhos,
cidades de cabeças a escorrerem oiro,
e gentes a imaginarem-se frias
só porque não choram nas ruas
com medo de que as lágrimas gelem
e magoem
as imagens dos olhos.

E os fiordes?
Ao fundo sempre o mesmo retrato límpido do mar,
gigante insonso de olhos parados de azul
a sonhar com cavernas de sereias
e aves que deixam no ar sinais de voos,
saudosos dos ninhos de cristal
que só existem no sul,
sempre mais ao sul
em árvores de prata inexistentes.

E assim os fiordes
transformaram-se em hábitos exaustos
onde nem sequer há areia
para corrermos descalços.
Só pedras
e esta água que, de tanto chorada,
já nem sabe a sal.

Quanto à neve, depois de amaciar a terra de lua longa
gelava nas ruas quebradiças
e era como viver numa cidade calcetada de espelhos
que as imagens pisavam
com medo de cair
na funda superfície
do outro lado do frio
de onde sempre alguém nos chama
− talvez Orfeu
que mal chegou ao inferno
cravou a lira na cabeça,
esqueceu-se de Euridice,
a dos «eternos retornos»
− e, para acordar os desejos das pedras,
pôs-se a tanger sonhos e chamas
na lira dos cornos.

(José Gomes Ferreira) *
*
1964-65
*

Etiquetas: ,

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial