quarta-feira, outubro 3

Aqui na praia do Lizandro


Mark Rothko «Untitled» (Water Scene) ca. 1934
watercolour on paper


Aqui na praia do Lizandro

O poeta, por vezes,
apenas descreve sentimentos,
nas paisagens íntimas que observa,
observando-se.
Especialmente quando a vida é tão intensa
que apenas apetece vivê-la.
Outras vezes, é o próprio poema
explodindo por dentro de si mesmo.
Quando surgem rimas automáticas,
num ritmo quase febril,
palavras em convulsão
que a caneta não consegue reter.
Mas a poesia também acontece
quando glosamos palavras
que, já antes, foram escritas.
Quando versos, feitos reversos,
aperfeiçoam poemas imperfeitos
que, outrora, nos vieram.
Hoje, não.
Aqui na praia do Lizandro, diante do mar,
sentado na areia molhada da manhã,
meus versos fluem saudosos,
como se estivessem inspirados
na solidão de estar aqui.
No silêncio da praia deserta,
sentindo o sol doirar meu corpo
e molhando os pés,
depois de uma longa caminhada,
neste prazer de estar aqui,
vou pensando nos sonhos
que, de noite, me atomentaram
e que lembrei ao acordar.
Retomando quem sou,
dói o prazer de estar aqui,
escrevendo em mim
estas palavras de solidão.

(José Adelino Maltez)

in «Sphera, Spera, Sperança», 2002
(Livro IV, Somos o sítio onde estamos)

Etiquetas: ,

1 Comentários:

Blogger Mar Arável disse...

DOI O PRAZER - DE ESCREVER

VERDADES IMPROVÁVEIS

7 de outubro de 2007 às 18:42  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial