domingo, fevereiro 15

ACONTECIMENTO; ALEGORIA SEGUNDA; POEMA PARA HABITAR


J.M.W.Turner «The Bay of Uri, Lake Lucerne, Switzerland», 1841
(watercolour)
- The Henry Vaughan Bequest / National Gallery of Ireland -
*
*
ACONTECIMENTO

Tu choravas e eu ia apagando
com os meus beijos os rastos das tuas lágrimas
– riscos na areia mole e quente do teu rosto.
Choravas como quem se procura.
E eu descobria mundos, inventava nomes,
enquanto ia espremendo com as mãos
o meu sangue todo no teu sangue.
*
Não sei se o mundo existia e nós existíamos realmente.
Sei que tudo estava suspenso,
esperando não sei que grave acontecimento,
e que milhares de insectos paravam e zumbiam nos
meus sentidos.
Só a minha boca era uma abelha inquieta
percorrendo e picando o teu corpo de beijos.
*
Depois só dei pela manhã,
a manhã atrevida
entrando devagar, muito devagar e acordando-me.
Desviei os meus olhos para ti :
ao longo do teu corpo morriam as estrelas.
A noite partira. E, lentamente,
o sol rompeu no céu da tua boca. *

(in «Secura Verde» Porto, 1950)



*
J.M.W. Turner «The Piazetta, Venice», 1835
(watercolour)
- The Henry Vaughan Bequest / National Gallery of Ireland -
*
*
ALEGORIA SEGUNDA
*
De poetas e filósofos tu sabes,
sabes também por ti. Por isso eu digo :
esta pedra é vermelha, esta pedra é sangue.
Toca-lhe : saberás
como em segredo florescem as acácias
ao redor dos muros, como fluem
suas concêntricas artérias. Acaricia-as : tocas
a parte mais sensível de ti mesmo.
*
Dizias ontem que o verão ardia
nesta pedra. Nela
queimavas tuas mãos. Onde
as aqueces hoje? Eu digo :
o verão não morreu, esta pedra é o verão.
*
E tudo permanece. E tudo é teu.
Tu és o sangue, o verão e a pedra.
*
(in «Paralelo ao Vento» Porto, 1979)


*
J.M.W. Turner «A Shipwreck off Hastings, 1825
(watercolour)
- The Henry Vaughan Bequest / National Gallery of Ireland -
*
*
POEMA PARA HABITAR
*
A casa desabitada que nós somos
pede que a venham habitar,
que lhe abram as portas e as janelas
e deixem passear o vento pelos corredores.
*
Que lhe limpem os vidros da alma
e ponham a flutuar as cortinas do sangue
– até que uma aurora simples nos visite
com o seu corpo de sol desgrenhado e quente.
*
Até que uma flor de incêndio rompa
o solo das lágrimas carbonizadas e férteis.
Até que as palavras de pedra que arrancamos da língua
sejam aproveitadas para apedrejarmos a morte.
*
(Albano Martins) *
*
(in «Coração de Bússola» Évora, 1967)

Etiquetas: ,

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial