sábado, novembro 17

Os lençóis brilham como se eu tivesse tomado veneno

*
Georg Baselitz «Male Nude», 1975
(oil and charcoal on canvas)
- Harvard Art Museum, Busch-Reisinger Museum
Friends Anniversary Collection -
*

Os lençóis brilham como se eu tivesse tomado veneno.
******** Passo por jardins zodiacais, entre
******** flores cerâmicas e rostos zoológicos
que fosforescem. Lavra-me uma doença fixa.
Ilumina polarmente os quartos.
******** Todos os dias faço uma idade
******** bubónica. Quem vem por fora vê
camisas apoiadas à luz, a doçura, partes
vidradas do corpo. Perto, deslumbra-se com o pénis como um
**************************************************chifre
de coral intacto. Às vezes não sei gritar com a boca
******** toda luzindo.
E queima-se em mim nervo a nervo
******** a flor do diamante.
*
Fulgura o oxigénio na sua caixa de vidro e a cerveja gelada
como uma estrela num copo. Não
falo com ninguém quando o sangue
******** é arrancado pelas
luas, à porta, o ar sibilante cheio de paisagens.
******** As víboras sonham no ninho,
turquesas, pedras, mas eu estou
com um braço de ouro sobre a cama.
*
E vou deixar a terra eléctrica na sua renda concavamente
******** leve. O mundo ― esse arrepio concêntrico:
olho fixo por onde toda a matéria contempla o espaço
descentrado. E um jorro desencadeia-se pela coluna
******** com uma rosa mental arrastada
******** para o alto. Nenhum lugar
é ouvido nos silêncios que tem
******** de dentro para fora. Posso
atar um laço em volta de cada coisa, com um sussurro
estreito. Os meus pés resplandecem sepultados nos sapatos.
*
― Fala-se de um tigre, talvez, um tigre profundo,
******** sem sonhos,
movendo-se nos aros do seu próprio corpo, um feixe
******** de chamas de cada lado.
Mudo a floresta, vejo os planetas passar, os cavalos,
E vou deixar o mundo, eu, cometa expulso
dos buracos da pedra. De dedo
******** para dedo
os anéis luzem, terríveis, de ouro forte, fechados como serpentes
******** fio a fio.
*
Pela força dessa ressaca, a limalha salta
entre a boca e o sexo. Abisma-se o mistério
animal até ao centro da caça. Atraio Deus.
******** Leão vermelho
a brilhar nas clareiras à frente das incessantes
mãos do caçador. Porque eu nunca falo,
******** de noite,
com ninguém. A minha arte de ser é venenosa, quieta
******** e aterrada. Mexem no leite, as salas
recuam pela casa, nos alvéolos do corpo desatam-se
os pequenos astros. E o silêncio torrencial da atmosfera
******** televisionada
irrompe pelos quartos amontoados.

(Herberto Hélder)

in «Cobra», 1977

Etiquetas: ,

1 Comentários:

Blogger Mar Arável disse...

Herberto Helder - sempre

19 de novembro de 2007 às 19:17  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial