domingo, maio 31

LIBERDADE


Andrew Wyeth «Christina's World», 1948
(tempera on gessoed panel)
- The Museum of Modern Art, MoMa , NY -

*
LIBERDADE

Contigo,
Rebolo na erva dos prados,
Abraçando o sol ao meio dia.
Não importa a língua que falo,
Ou se a noite já baixou.
Canto árias,
Danço tangos e boleros
Pela terra acabada de lavrar.
Enfio-me nas florestas,
E brinco às escondidas com o lobo mau.

Contigo,
Como amoras silvestres,
E sujo a boca no sumo das laranjas.
Monto cavalos de espuma.
Cubro-me de lama
E banho-me em ribeiros cristalinos.
Ando descalça pelos campos de searas,
E peço à chuva que me molhe,
E às estrelas que mudem de lugar.

Contigo,
Galgo montanhas
E sei de cor o nome das nuvens.
Atravesso tempestades e vendavais
E adormeço numa cama de musgo.
Deito-me nua ao luar,
E gozo o frio das geadas.
Contigo,
Acendo fogueiras no deserto,
E toco uma balada para o vento.

Contigo,
Sou um pássaro com asas a crescer.

(Helena Figueiredo) *

in «Ao sabor da pele», 2009

Etiquetas: ,

6 Comentários:

Blogger Bruna disse...

Olá! Parabéns pelo blog, é muito bonito. Estou acompanhando, pode ser? Obrigada :*

7 de junho de 2009 às 17:35  
Blogger Jose Ramon Santana Vazquez disse...

Desde mis BLOGS:

--- HORAS ROTAS ---

y

--- AULA DE PAZ ----

quiero presentarme

en esta nueva apertura

del eminente otoño.

Tiempo que aprovecho

ahora para desear

un feliz reingreso en

la actividad diaria.

Así como INVITAROS

a mis BLOGS:

--- HORAS ROTAS ---

y

--- AULA DE PAZ ----

con el deseo de que

estos sean del agrado

personal.

Momentos para compartir

con un fuerte abrazo de

emociones, imaginación y

paz. Abiertos a la comunicación

siempre.


afectuosamente :
DA POETICA







jose

ramon…

19 de setembro de 2009 às 12:19  
Blogger ahdônis disse...

adorei teu blog! que beleza e que coleção de poemas! muito feliz de ter encontrado uma certa noite de domingo...

21 de setembro de 2009 às 01:46  
Blogger Aníbal Raposo disse...

Linda colecção de poemas.
Voltarei.

31 de março de 2010 às 20:55  
OpenID Luis Garcia disse...

Se eu pudesse compreender
a fórmula que investaste
dos dias que me ensinaste
como um mestre
desperta o aprendiz!
A mesma soma
traria eu
nos meus números e botões
como se faz para aprender
abecedários e tabuadas.
e demais mistérios que desconheço
como fazer, para entender…
E se eu de facto for capaz
então serei o mesmo pai
que tu és para o teu filho
e farei do meu próprio filho
o filho que fizeste de mim.

20 de março de 2011 às 11:52  
Blogger Fernando Teixeira disse...

Acho muito bom este poema, cara amiga Fernanda. Vou continuar ler.
Paz e Bem

22 de outubro de 2011 às 17:23  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial