sábado, julho 7

Praia da Granja


Dmitry Krasnopevtsev «Still Life» ca. 1940
oil on canvas


PRAIA DA GRANJA

Pelo que quer que seja a exaltação habito aqui,
nesta casa de sete janelas,
com uma pequena porta e uma varanda verde.

A praia incendeia-me os olhos,
e chamo, chamo à mulher espiral do mundo.

Toco com um dedo o muro branco e acrescento
ao entendimento ervas amargas, animais solares
e obscuros, um antigo instrumento de trabalho,
o búzio, o barco, o arado,
um ramo de salgueiro, esta pedra incisiva,
uma maçã vermelha.

Guardo no coração uma voz que vai de lugar em lugar
a interrogar as sombras
e no poema murmura o poder das cintilações
sobre a cânfora,
a hortelã,
os figos,
o encantamento,
a cabeça da víbora.

A extensão desta casa é a dimensão desta praia
divina sobre as águas,
tal como é divina a mulher que me acompanha
e a quem chamo espiral do mundo
por ter criado um sortilégio assim,
uma casa grega,
branca,
nítida,
com sete janelas,
uma pequena porta e uma varanda verde
sobre o mar.


(Amadeu Baptista)

in "A Sophia", Org. de Casimiro de Brito

Nota: Homenagem de vários escritores a Sophia de Mello Breyner Andresen organizada pelo PEN Clube Português.

Etiquetas: ,

1 Comentários:

Blogger rita valente disse...

tenho pena da minha praia da granja

27 de outubro de 2008 às 23:44  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial